Brasil
Combustíveis alternativos

COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS

Reduzir os danos

Promover transporte sustentável de verdade é o nosso objetivo. Por meio de pesquisas e desenvolvimentos contínuos em nova tecnologia e combustíveis renováveis, buscamos tornar esse objetivo uma realidade.

Biogás

O biogás pode ser produzido a partir de inúmeras fontes, mas o método mais sustentável e com melhor relação custo-benefício é usar resíduos ou esgoto locais. O biogás tem a mesma composição química do gás natural, mas é uma fonte de energia renovável, enquanto o gás natural é um combustível fóssil. Os dois combustíveis podem ser usados simultaneamente.

O gás natural liquefeito (GNL)/biogás liquefeito (BGL) é o gás metano resfriado ao estado líquido. A teor volumétrico de energia no GNL, em comparação com o diesel, é de 1:1,7. Estima-se que a redução de CO2 alcance até 90% em comparação com o diesel comum.

Gás natural

O gás natural é o gás metano encontrado em bolsões na crosta terrestre. Ele é extraído de depósitos de gás separados ou concomitantemente à extração de petróleo. O gás natural é um combustível fóssil; porém, como a molécula de metano contém apenas um átomo de carbono, a quantidade emitida de CO2 durante a combustão é menor, em comparação à de um motor a diesel convencional.

O gás natural e o biogás podem ser usados simultaneamente. Em comparação com o diesel padrão, estima-se que a redução de CO2 alcance até 20% das emissões.

Bioetanol

O bioetanol é o biocombustível mais usado em transporte nos dias de hoje. Ele também é o combustível com mais chances de suprir volumes grandes e sustentáveis no futuro. Uma das principais vantagens é que ele é líquido e está disponível globalmente em grandes volumes.

Pode ser produzido de várias matérias-primas, como cana-de-açúcar, trigo e milho. Podem ser usados também resíduos ricos em amido ou açúcar, como celulose ou pão. Além disso, o bioetanol é relativamente fácil de produzir, até mesmo em pequena escala. Em comparação com o diesel padrão, estima-se que a redução de até 90% nas emissões de CO2.