You seem to be located in .
Vá ao seu site de mercado Scania para mais informações.
Brasil
region sprzedaży
Production units

Soluções da Scania para o transporte urbano são apresentadas em Porto Alegre

Ação demonstrou a futuros clientes e gestores de empresas a linha completa de produtos Scania voltada para o mercado.

No dia 10 de maio, terça-feira, a Scania levou à cidade de Porto Alegre (RS) as alternativas em transporte da marca para sistemas BRT (Bus Rapid Transit). O evento, que foi realizado no SEST/SENAT em parceria com a concessionária Suvesa, faz parte da estratégia da montadora de intensificar a busca por soluções viáveis para o transporte de passageiros em parceria com os gestores das principais cidades brasileiras. 

O público, formado por gestores de trânsito urbano e clientes, teve a oportunidade de conhecer os chassis K 310 8x2/2, articulado com 20,30 metros, o K 310 6x2, também articulado com 18,60 metros e o K 270 6x2 com eixo direcional e piso baixo. Todos os produtos estavam em exposição no local.

“A Scania possui em seu portfólio diferentes opções em chassis urbanos que podem ajudar a melhorar o transporte de passageiros nas grandes cidades. Intensificamos os nossos esforços para trabalhar em parceria com as prefeituras dos municípios, a fim de encontrar as melhores alternativas para cada um deles”, afirma Eduardo Monteiro, responsável por Vendas de Ônibus Urbanos da Scania no Brasil.

Durante o evento, a Scania também destacou o Etanol como a solução mais viável e eficiente, entre os combustíveis não fósseis, para o transporte nas grandes cidades. Com essa estratégia, a montadora realizará no mês de maio a entrega das primeiras unidades movidas à etanol para a cidade de São Paulo (SP). 

O consultor internacional de infraestrutura e planejamento estratégico em trânsito urbano, Claudio de Senna Frederico, realizou uma palestra com foco em alternativas para BRT. O executivo foi contratado pela Scania com a missão de auxiliar a montadora nas questões relacionadas ao tema, acirrando a disputa pelo mercado interno brasileiro, que deve crescer por conta dos investimentos e das renovações de frotas do veículo previstas antes da Copa 2014 e Olimpíadas 2016.