You seem to be located in .
Vá ao seu site de mercado Scania para mais informações.
Brasil
region sprzedaży
Production units

A Transgesa enfrenta o tráfego e as regras de emissão de Madri

Na agitada capital espanhola Madri, os empresários de transporte estão correndo para acompanhar as rígidas restrições ao diesel e às emissões. Para a empresa de transporte Transgesa, um Scania G 340 movido a LNG dá uma pista sobre as possibilidades futuras da distribuição urbana.

Com mais de 4,4 milhões de veículos nas vias e engarrafamentos que às vezes parecem não terminar, a infraestrutura de transporte da região de Madri é distribuída, mas inadequada. Também há uma séria poluição do ar, com material particulado e poluentes de óxido de nitrogênio que geralmente excedem em muito os níveis recomendados. Além disso, quando você lembra que as autoridades regionais estão planejando desativar o transporte a diesel até 2025, vê que os desafios dos distribuidores urbanos são imensos.

Caminhão a LNG tem permissão para atuar em áreas restritas

Nesse ambiente, a empresa de transporte Transgesa faz entregas diárias em toda a região, inclusive no centro da cidade. A empresa tem um caminhão Scania movido a gás natural liquefeito (LNG), e este tem permissão de acessar áreas às vezes fora do alcance dos caminhões convencionais.

"Nós com certeza temos grandes desafios na entrega em grandes cidades, especialmente nos centros, devido às restrições crescentes", conta Erwin Alberts, diretor de operações da Transgesa. "Está ficando mais complexo a cada ano, porque enfrentamos requisitos crescentes de acesso conforme o tipo de veículo e o tipo de combustível. Isso definitivamente afeta nossas operações."

Madrid-19

Distribuição urbana em ruas estreitas e movimentadas

A Transgesa, com uma frota de caminhões tanto de distribuição quanto de longa distância, é uma franquia madrilenha da rede nacional Palibex, que agrupa empresas locais de transporte sob uma só marca para fazer entregas coordenadas em toda a Península Ibérica. A Transgesa também executa serviços de transporte sob sua própria marca.

O dia do motorista Carlos "Chilaba" Fernández começa geralmente no armazém da Palibex, na região sul de Madri, onde ele carrega as entregas do dia destinadas ao centro da cidade. 

"As manhãs são para pegar e entregar, e as tardes são para coleta", explica. "É realmente preciso evitar as horas de pico na manhã e no tumulto de meio-dia, para não ficar preso no trânsito. As ruas estreitas são um desafio, e é difícil entrar em certos lugares. 

"Mas isso não é o pior; o pior é descarregar em alçapões de acesso ao porão. E Madri está repleta de bicicletas, skates e, é claro, ciclomotores, que criam o maior perigo ziguezagueando no meio do tráfego."

A proibição do diesel em Madrid ­significa mais veículos de combustível alternativo

Restrições ao tráfego, acidentes e engarrafamentos são uma dor de cabeça diária para os projetistas de tráfego da Transgesa. "Isso exige um tanto de imaginação e inteligência da parte de nossos departamentos de planejamento e de tráfego porque, para algumas áreas, precisamos nos adequar às regras e às restrições", esclarece Alberts. "Do ponto de vista operacional, isso sem dúvida nos traz dificuldades."

A Transgesa crê que o setor sofrerá mudanças fundamentais nos próximos anos, antes que a proibição do diesel em Madri entre em vigor. "Serão anos muito eletrizantes, porque todos os nossos concorrentes e nós mesmos teremos de nos adaptar a uma legislação nova e mais restritiva. Teremos de investir em outros tipos de veículos e também de treinar nossas equipes para seguirem as futuras restrições."

Alberts também está convencido de que essa proibição gerará novos modelos de negócios, especialmente o da entrega urbana final, conhecida como "last-mile" (últimos quilômetros), que provavelmente crescerá junto com o comércio eletrônico. "Haverá grande cooperação entre as diferentes transportadores para reduzir o número de veículos trafegando no centro das cidades."

Madrid-12

A Scania ajuda a Transgesa a atender às demandas dos clientes

Embora os clientes estivessem relutantes no início a absorver o custo adicional do transporte ecológico, as atitudes estão mudando", comenta Alberts. "Atualmente, encontramos cada vez mais clientes que exigem que as transportadoras invistam em veículos ecológicos. As maiores firmas consideram isso como valor agregado."

Nessa transição para um novo modelo de distribuição urbana, a Scania é um parceiro valioso para a Transgesa. "A tecnologia da Scania nos traz certas vantagens para servir nossos clientes. Conforme nos depararmos com a necessidade de mais investimentos, será ainda mais importante aumentar a eficiência e a confiabilidade.